A queda da qualidade nos animes

Saudações cavaleiros e amazonas,

Hoje venho falar de um assunto que está incomodando a todos os apreciadores da arte oriental: a suposta queda na qualidade dos animes ao longo dos anos. Como exemplo podemos citar Dragon Ball Super e o Berserk 2017. Me sinto frustrado quando vejo uma história tão boa quanto a de Berserk (mangá com a maior pontuação no myanimelist) ter um anime com animações tão sofríveis. Se olharmos bem pro número de animes produzidos por ano é possível entender parte do problema.

Essa cena foi triste! A animação parece que sofreu um bug onde o personagem fica quase levitando.

Uma busca rápida no Wikipedia nos mostra que, de 1989 até o ano de 2016, o número de animes de TV aumentou muito ao longo dos anos. Nesse período, 1990 foi o ano com a menor produção, apenas 20 animes, enquanto 2016 foi o ano com a maior, 180 animes! Todo mundo quer criar o novo hit e lucrar rios de dinheiro. Infelizmente, as coisas tomaram uma proporção absurda.

Gráfico com a quantidade de animes produzidos por ano (dados retirados da Wikipedia).

Poucos animes realmente ganham dinheiro com audiência no Japão. Em geral, esses são os que possuem diversas temporadas com uma classificação indicativa voltada para família. One Piece, Doraemon, Detective Conan, Pokemon, são alguns dos exemplos. Claro que existem os que fogem do padrão como Shingeki no Kyojin (Attack on Titan!) e Sword Art Online, onde além de ter uma boa audiência, vendem bastante merchandising. Tirando esses casos, a chave do sucesso para a maioria dos animes está na venda de produtos.

Doraemon passa desde 1973 e tem mais de 2000 episódios!

A maioria dos animes produzidos possuem algum mangá ou light novel, ou seja, eles são nada mais do que infomerciais para você comprar o material fonte. Então o que vai indicar se o seu anime preferido vai ter uma nova temporada será a venda de light novels e/ou mangá, merchandising e DVD/Blu-rays (BD). Para se ter uma ideia, vamos pegar como exemplo Re:zero, um hit de 2016.

Você pode comprar desde os DVDs da temporada até roupa de cama do Re:Zero

O anime ainda vende muito merchandising e conseguiu ultrapassar a marca de 10.000 unidades por volume na venda de DVD/BDs. Um detalhe, ele passava a 1:30 da madrugada na TV Tokyo. Ao olharmos para o horário de transmissão se percebe por que as produtoras estão tão dependentes dessas vendas. O dinheiro proveniente da audiência na TV é muito baixo. Por esses motivos, diversas produtoras e estúdios estão lutando por um espaço no topo da tabela de vendas de produtos.

Achei o anime dourado!

Cada vez mais, os estúdios e produtoras tentam acertar aquele anime que é o bilhete dourado para a fantástica fábrica de chocolate. Entretanto, a opção que muitos adotaram foi em quantidade. Com isso, uma das razões da perda de qualidade se torna aparente: os estúdios e produtoras pegam mais de um anime para produzir sem ter capacidade para tal. A medida que o anime se desenvolve, acabam se atrapalhando para entregar os capítulos no prazo estipulado. O resultado disso são animes com qualidade sofrível e/ou a outra opção, fazer um episódio de recapitulação no meio da temporada. Isso mesmo, recapitulação geralmente é um artifício utilizado para evitar de não entregar algo e ficar muito mal visto pela indústria.

Segundo motivo: a maioria dos animes são investimentos de longo prazo quando se trata de vendas de DVD/BDs. Aproximadamente 20% dos animes conseguem chegar na linha de lucro no primeiro ano (Fonte: https://www24.atwiki.jp/anime-urisure/pages/527.html). O resto precisa esperar mais tempo para obter algum lucro com DVD/BDs. Então para fechar com um saldo positivo, criam-se vários animes apostando que alguns irão dar um bom lucro no futuro. Alguns até conseguem dar lucro devido ao mercado internacional, apesar de serem considerados apenas bons ou medianos no Japão. Cowboy Bebop, Love Hina e Vision of Escaflowne são apenas alguns exemplos onde o público no ocidente fez com que a série perdurasse na história. Entretanto, uma nova esperança está surgindo no meio ao caos das finanças dos animes.

The vision of Escaflowne, Cowboy Bebop e Love Hina foram grande sucessos no ocidente, mas com baixas vendas no mercado oriental na época de lançamento.

A venda de DVD/BDs está caindo, porém os streamings estão começando a ajudar a rentabilidade dos animes. Sites como o Netflix, Crunchyroll e Funimation estão comprando as licenças para transmitir os animes ao redor do mundo, dando assim um lucro direto para as produtoras. A expectativa é de que com esse lucro mais rápido, as produtoras passem a apostar em qualidade para garantirem mais lucros em uma obra. Vamos ficar na torcida para que essa esperança se torne uma realidade em um futuro próximo.

Então, o que vocês acham do cenário do entretenimento japonês?

PS: Se quiserem saber como uma produtora de animação japonesa trabalha, recomendo assistirem Shirobako. É um anime muito bom que trata de como é o ambiente dentro de uma produtora de animes com seus prazos e problemas na staff.