Aventuras em Cyrodiil #4 – Fúria e Sabedoria

The_Elder_Scrolls_IV_-_Oblivion

Já ouviu falar que a maioria das pessoas vivem uma vida e gamers vivem dezenas? Então, é inspirado nisso e pelo fato que todo mundo gostou desse nome que criamos o Diário Gamer, uma coluna para compartilharmos nossas aventuras no mundo dos jogos; seja um grande lançamento ou a revisitando um clássico que ficou na memória. O Diário Gamer funciona de duas maneiras, na versão ideal serão diversos posts conforme a história do jogo vai se desenvolvendo, literalmente como um diário. Já na segunda regada por preguiça, más experiências em um jogo ou um jogo curto faremos um único post sobre essa incrível (esperamos) experiência. Curtiu a ideia? Então vem com a gente que esse diário é para todo mundo ler.

Longos dias e belas noites aventureiros! Mais uma sexta e aqui estamos com mais um capítulo dessa aventura. Nosso elfo está devidamente alimentado e de caveira cheia da melhor cerveja de Cyrodiil e pronto pra narrar mais uma parte de sua jornada para conseguir as Relíquias do Cruzado! Diferente dos capítulos anteriores eu narrarei aqui duas quests da Knights of the Nine, Nature’s Fury e Wisdom of the Ages, pois a primeira foi bem curta e consequentemente o capítulo ficaria muito pequeno. Preparados? Aconcheguem-se num canto da taverna, peçam uma cerveja, e escute o que os contadores de história têm a dizer…

A estátua de Kynareth
A estátua de Kynareth

 

Aaaaahhhh, a comida daqui é divina, assim como a cerveja, um belo complemento para que possamos continuar. Onde eu parei mesmo? Ah sim, com os espíritos dos Cavaleiros dos Nove. Pois bem, como estava dizendo, conversei com cada um deles, soube um pouco mais da sua história, e quatro deles me disseram onde encontrar outras relíquias. Sir Juncan disse que as Botas do Cruzado estavam em posse de Kynareth e que seus clérigos poderiam me dizer como recuperá-las; Sir Henrik me deu a localização de Forte Bulwark, onde estava o Escudo do Cruzado; Sir Ralvas informou que a Maça do Cruzado estaria em Leyawiin, na Capela de Zenithar; por fim, Sir Casimir me colocou na direção das Manopla do Cruzado, em Chorrol. Fui então para a Cidade Imperial, para deixar as relíquias que já consegui em segurança nos meus aposentos e vender os espólios.

Avita me falando do teste
Avita me falando do teste

Era noite quando saí da cidade pelo portão oeste, e nessa direção eu segui até achar a estátua da deusa na natureza, juntamente com três clérigos que prestavam tributo. Perguntei sobre as botas a um deles, uma imperial que se identificou como Avita Vesnia, que prontamente me disse que eu teria que passar pelo teste de Kynareth para que me provasse digno aos olhos da deusa. Ela então me apontou a direção do local do teste e antes de eu ir me disse duas coisas, “vá sozinho” e “respeite e tema a natureza”, então antes de mais nada pedi para o meu fã que me segue por todo os locais que esperasse ali, e segui meu caminho para sudoeste. Não muito longe da estátua encontrei uma

Mais uma relíquia conquistada
Mais uma relíquia conquistada

clareira com uma pedra que parecia uma porta, porém estava trancada, mas não demorou muito para um urso pardo três vezes maior que um normal aparecer e me atacar. Me lembrei das palavras de Avita, então não revidei, mas procurei me esquivar dos ataques do urso pois ele era muito forte. Depois de me esquivar de alguns ataques ele finalmente parou e a porta na pedra se abriu, revelando uma escada. Desci pelo caminho que se revelou e encontrei um altar arborizado guardado por duas spriggans e as Botas do Cruzado repousando sobre ele. Avancei com cautela me preparando para um possível ataque das guardiãs, mas elas permaneceram imóveis e rindo apenas. Então peguei a terceira relíquia e me dirigi para o extremo sudeste da província, na direção do Forte Bulwark.

O forte se localiza quase próximo à fronteira com Black Marsh, então é normal ver aqui as vegetações típicas de áreas pantanosas, ainda que a tradicional vegetação tropical de Cyrodiil ainda se mantém, mas não tão abundante quanto ao centro da província. Cheguei ao forte sob forte chuva e quase amanhecendo, na ânsia de conseguir um abrigo, porém a área externa estava guardada por dois conjuradores. Fazia um tempo que não entrava numa área guardada por magos. Peguei muita chuva, mas valeu a pena, pois eles caíram bem rápido e ainda largaram bons

Conjuradores fracos.
Conjuradores fracos.

espólios. Entrei então no forte e fui logo surpreendido por bandos de conjuradores e elementais, todos facilmente contornados com um espectro e a Fúria do Mago. Esse forte diferia em muito dos demais que visitei pelo simples fato de conter mais salões e passagens secundárias em níveis labirínticos. Rodei um pouco perdido por todos os salões até achar uma alavanca que abriu uma grade que conduziu à um mezanino com outra alavanca. Essa por sinal ao ser puxada abriu uma grade no salão principal e baixou passarelas de madeira nessa mesma sala. Voltei então até esse caminho recém aberto e continuei em frente, onde ao final dele tinha uma porta levando à segunda área do forte, que começava com um corredor contendo várias celas e o teto bem mais alto que o resto do forte. As celas se encontravam vazias, com exceção da última onde havia um Redguard sendo mantido prisioneiro. Eu o libertei e ele agradeceu, se identificando com Sir Thendret, que também estava em busca do Escudo do Cruzado. Perguntei se ele gostaria de se juntar à mim porém respondeu-me que estava muito cansado e tinha sido torturado pelos magos presentes, mas disse que iria me encontrar novamente para juntar o restante das relíquias. Antes de ir porém ele disse que encontrou algo sobre o forte antes de entrar, mas apenas o que tinha de relevância era a frase “Quando os olhos dos guardiões estiverem sobre você, Julianos irá a seu favor.” Com essa informação ele se despediu e se retirou do forte.

Sir Thedret
Sir Thedret

Nessa segunda área tinha uma conjuradora como carcereira, mas não durou muito tempo contra um mago com mais experiência como eu*. Fui adiante na área e me deparei com uma sala com pontes a serem baixadas, porém antes de chegar às alavancas uma armadilha com flechas sendo atiradas do teto se ativou, e como não tinha outra alternativa ergui um escudo e passei o mais rápido que pude, me curando assim que cheguei ao outro lado, então baixei as pontes e continuei meu caminho. A próxima sala já contava com dois conjuradores mais experientes, uma boa hora de estrear a magia que eu desenvolvi, Sua Alma É Minha! Essa magia dá um dano excepcional de

O primeiro enigma
O primeiro enigma

choque além de dar um efeito de armadilha espiritual, permitindo que eu pegue a alma de meu inimigo numa gema após a morte dele. Com a ajuda dessa magia e de um espectro, consegui subjugá-los. Nessa sala se encontrava uma estátua do deus da sabedoria Julianos, uma marca em frente à estátua e quatro estátuas de sacerdotes viradas na direção contrária à marcação no chão. A frase de Sir. Thendret me veio à mente, e prontamente acionei as alavancas para que as estátuas se virasse na direção da marca, e assim me posicionei ao centro e uma passagem se abriu. A última área era composta apenas de uma elevação com um baú e um botão em frente à ele, seguindo de outros oito pequenos baús repousando nos pés de estátuas de sacerdotes. Cada vez que eu apertava botão aparecia um item no baú maior e um dos menores era iluminado com outro item, então tive que guardar os itens que apareciam no baú maior no menor correspondente. Demorou um pouco até o botão me revelar todas as posições, mas eventualmente consegui resolver o enigma.

O enigma final.
O enigma final.

Após a resolução, a porta se abriu e assim consegui achar o Escudo do Cruzado repousando sobre um altar. Recuperei a relíquia e segui pela passagem que se abriu, um atalho para a primeira área. Já estava anoitecendo, então fui para Leyawiin que era a cidade mais próxima para dormir, vender meus espólios e ir atrás da quarta relíquia, a Maça do Cruzado…

 

*Nota do Arquimago: nem um pouco convencido esse Altmer…

 

Chegamos ao fim de mais um capítulo nobres aventureiros. Os comentários estão abertos à sugestões, críticas e elogios. Um grande abraço e até semana que vem com o próximo capítulo, Caminhos de Misericórdia

Prólogo / Capítulo 1 / Capítulo 2 / Capítulo 3

Game Designer aprendiz, baixista mediano e mago implacável. Amante de RPGs mas tem Metal Gear como série favorita. Busca dominar magias de controlar o tempo e zerar todos os jogos que comprou na Steam e na PSN.