Into the Badlands

ITB-KeyArt-Poster-1920

Por Felippe Espinelli

Em um futuro onde as guerras devastaram a terra, o mundo vivia na total escuridão e medo até o aparecimento dos Barões, as sete pessoas que conseguiram dar ordem ao caos. Eles foram os responsáveis pela proibição do uso de armas de fogo, mas também foram os criadores dos Clippers, um exército de lutadores que usam as artes marciais para matar quem estiver no caminho. Para ser protegido pelos Barões, a servidão é o caminho. O mundo foi construído com sangue e ninguém é inocente. Welcome to the Badlands.

E assim começa a nova série original da AMC, Into the Badlands, que estreou no dia 15 de novembro. A história é baseada no romance “jornada ao oeste” que fala sobre a peregrinação do Rei Macaco e do monge que está buscando os escritos sagrados do Budismo. Já a história de Into the Badlands segue Sunny (estrelado por Daniel Wu), o regente do Barão Quinn e M.K. (estrelado por Aramis Knight), um garoto salvo por Sunny em Badlands que esconde um misterioso poder. A primeira cena já mostra ao espectador a intensidade da série. Nos 5 minutos iniciais do episódio de estreia podem ser vistos socos e chutes, ossos quebrando, sangue voando e mortes.

O episódio utiliza muita ação para mostrar a dinâmica da série. Pela história e lutas coreografadas com muitas armas brancas e violência gráfica, não faltaram comparações com Mad Max e Kill Bill. Também podem existir comparações com a animação Avatar com os poderes escondidos de M.K. ou a relação vivida entre o barão, seu filho e Sunny. A fotografia de Into the Badlands se mostra fenomenal, sendo bem evidenciado na última luta do episódio. Infelizmente, Daniel Wu, mesmo sendo um ator consagrado na China, se mostra um Jet Li com pouco carisma com uma atuação regular e diálogos fracos. Os outros atores realizaram uma boa atuação com destaque para Aramis Knight.

ugda hukdfg iehgauf

A série parece que será uma boa coadjuvante para The Walking Dead. A AMC está fazendo uma grande aposta nessa série, pois tenta preencher a lacuna deixada por Breaking Bad, encerrada em 2013 e Mad Men, finalizada em maio de 2015.